let's be cool
Saudações, visitante! Neste momento, você se encontra no Hishoku no Sora, um blog pessoal sem fins lucrativos. Aqui se fala de tudo um pouco, então fique à vontade!
A versão atual é inspirada na música "Afraid to be Cool", ilustrada por Jimin e Jungkook (BTS, War of Wormone).

the coolest
Kawasumi Shana, 24 anos e contando +1 todo dia 7 de fevereiro - logo, sou toda aquariana. Adoro música, mangás, animes, filmes e livros. Odeio insetos, injeções e filmes de terror, sou criativa e contraditória, possivelmente tenho um parafuso a menos - mas juro que sou legal. Ou não. more?

come with me!


Follow

scream out!

what did you say?

bye baby bye!

 
Hishoku no Sora
Google Chrome | 1366x768


Super Resenha: Itazura na KISS
Olá, queridos leitores! ♥ Dei uma sumida porque a faculdade entrou de greve e eu aproveitei e entrei de greve da vida #morta Espero que estejam todos lindos e bem, como sempre :D Mas deixando isso de lado, hoje eu lhes trago uma coisinha que já venho preparando há alguma tempo, uma super resenha - um termo bonito que eu inventei pra uma resenha mais comprida e mais completa, hahaha! O tema da resenha de hoje é, nada mais, nada menos que Itazura na KISS! Preparados? Então vamos lá!





Ficha Técnica


• Autora: Kaoru Tada
• Publicação: 1990 pela Margaret (Shueisha)
• Volumes: 23 (incompleto)

No 3º ano do Ensino Médio, Aihara Kotoko resolve finamente se declarar para Irie Naoki, por quem vem nutrindo sentimentos desde o 1º ano. Irie, contudo a rejeita sem sequer ler sua carta! Como se não bastasse, um terremoto faz com que a casa de Kotoko desabe - mas, graças aos deuses, o melhor amigo de seu pai oferece sua moradia para os dois. O que Kotoko definitivamente não esperava era que esse amigo é nada mais, nada mesmo, que o pai de Irie Naoki!

Itazura na KISS - ou "ItaKisu", pra encurtar - foi publicado na Margaret a partir de 1990, e serializado pela Margaret Comics a partir de 1991. Embora tenha feito muito sucesso durante a época, a série nunca foi finalizada, devido à morte prematura da autora. Tido como o precursor do shoujo como o conhecemos hoje - no modelo clássico do garoto frio e "maldoso" e da mocinha inocente e apaixonada -, ItaKisu é uma série divertida e amável, e vale a pena ser lembrada aqui no Hishoku.
Embora tenha sido adaptada em outros países, é importante esclarecer que nesse post vou me ater apenas as adaptações japonesas da série, okay? :D Sendo assim, vamos por partes!

O MANGÁ

Meu xodó, o mangá de ItaKisu é uma verdadeira jóia entre os shoujos da época. Muitos sabem que eu adoro ler mangás antigos e, embora tenha conhecido o título pelo anime, o mangá já tem um espacinho bem guardado no meu coração ♥ Aqui vemos passo a passo a história da Kotoko, essa menina extremamente bobinha e não muito inteligente, e seu amor platônico pelo incrível Irie-kun. Por mais que possa parecer absurdo no mangá, acho que a garota boba se apaixonar pelo cara mais bonito e inteligente da escola (e se pá do Japão inteiro) é uma realidade bem palpável - vai dizer que nenhum de vocês já quis a maçã mais vermelha da fruteira, hã? 
A história, como a maior parte dos shoujos, é ambientada na própria década de 90, a época de sua produção. É possível ver muitas referências a ela nos figurinos das personagens, nos costumes, penteados, cores e mesmo nos aspectos ocidentalizados da coisa - num dos capítulos, Kotoko vai ao cinema assistir Edward Mãos de Tesoura, gente! 
Quanto à arte, ela é muito característica da época mesmo. O traço é bem simples e até meio esquesitinho nos primeiros capítulos, mas é possível ver a beleza depois que você se acostuma. Embora muito caricaturato, precisamos concordar que Kaoru Tada desenha muito bem para a época - não vamos comparar o mangá com as publicações de hoje, okay? Caso queiram analisar, pense em títulos como Bishoujo Senshi Sailor Moon (Naoko Takeuchi) ou Kodomo no Omocha (Obana Miho).
No mangá, Irie-kun é bem mais frio e maldoso, mas é possível notar o carinho que ele gradualmente desenvolve pela Kotoko. O romance parece um pouco mais palpável também, e tem uma série de coisas legais e momentos fofíssimos que simplesmente não aparecem nas adaptações. É um mangá "relíquia", de verdade, muito bem feito, com um enredo leve e divertido, que vale mais do que a pena ler. É uma pena que a autora tenha morrido antes de completá-lo mas, embora sem final, é muito nítido que Kotoko e Irie terminariam felizes para sempre, porque eles se completam de várias formas (apesar de tudo).
Uma curiosidade bem bacana que só é explicitada no mangá é que Irie-kun não é um "gênio" de todo, mas tem uma memória absurda. Ou seja: a "genialidade" dele só vai até onde ele pode usar a memória pra isso, como lembrar os movimentos dos seus adversários nos campeonatos de tênis. Ele não pode fazer absolutamente nada que não tenha estudado ou conhecido previamente. :D Esse é um detalhe bem interessante que passa despercebido na adaptações.

O ANIME - ENFIM, O FINAL DA HISTÓRIA!

Em 2008, uma animação da série foi produzida pela TMS Entertainment, denominada Itazura na KISS. Contando com 25 episódios, o anime trouxe o final inédito de ItaKisu - que, segundo o marido de Kaoru, foi planejado pela própria autora. Isso é notável quando você acompanha o mangá: ele nitidamente caminha para o "felizes para sempre", então podemos considerá-lo bem fiel ao que teria acontecido nos quadrinhos. A adaptação, contudo, apresenta mudanças consideráveis no enredo, mas é muito fiel em outros aspectos. Alguns detalhes divertidos passam batidos, como, por exemplo, a fobia que Kotoko tem de cachorros, ou a aparição da irmã caçula de Matsumoto Yuuko. Um dos detalhes mais decisivos no mangá é o arco onde Irie-kun decide morar sozinho, fato que sequer é citado no anime, mas tem influência decisiva na relação entre nosso casal. Apesar disso, trata-se de uma animação de qualidade, com excelente trilha sonora e ótimo elenco de dublagem. Independente de seus deslizes, é uma adaptação muito bem feita, divertida e que finalmente conclui um dos romances mais populares de todos os tempos.

O DORAMA - UM OLHAR MAIS RECENTE SOBRE ITAKISU
primeira adaptação de Itazura na Kiss foi realizada em 1996, e tratou-se de uma uma novela - ou "dorama" - de nove episódios. É muito difícil encontrar qualquer informação sobre ela: o que se acha na internet é que a adaptação não foi tão fiel ao mangá, e que não fez muito sucesso - talvez por isso essa falta interesse do pessoal em encontrá-la e legendá-la, por exemplo. Em 2005 foi realizada uma adaptação taiwanesa, denominada It Started with a Kiss (o que não faz tanto sentido, mas enfim) e em 2010 surgiu uma versão coreana, chamada Playful Kiss - com um nome mais similar ao original, que significa "Beijo Travesso".
Mas como eu disse, ItaKisu é provavelmente o maior shoujo de todos os tempos e, sendo assim, uma nova adaptação foi produzida em 2013 no Japão, sob o nome Itazura na KISS - Love in Tokyo. O subtítulo não tem qualquer função especial, tratando-se apenas de uma diferenciação do primeiro dorama da série, de 1996. Embora tenha sofrido algumas mudanças consideráveis - dessa vez a casa da Kotoko é destruída por uma "estrela cadente" (meteorito), e não em um terremoto - trata-se de uma ótima releitura da série. Importante ressaltar que ItaKisu - Love in Tokyo adaptou o mangá de forma a enquadrá-lo aos dias de hoje, então muita coisa acabou sendo mudada nesse sentido.
Ainda que peque na fidelidade, a maior parte das mudanças trazidas pelo dorama é louvável: primeiro que vários personagens secundários, como Kin-chan e as amigas da Kotoko, ganham um papel de destaque na série, o que fez falta no anime, por exemplo. Ademais, em outros aspectos, o drama é muito fiel à obra original: aqui vemos Irie-kun saindo de casa, as amigas de Kotoko namorando e deixando-a como a solteirona do grupo, a aparição de alguns personagens que foram esquecidos na animação, entre outras coisas bem bacanas. Os atores também são muito fiéis à seus personagens - Honoka Miki está um ahazo como Kotoko-chan, minha gente! Sem falar em Nishimura Tomomi, que brilhou indiscutivelmente no papel de Noriko, a matriarca da família Irie.
Já Irie-kun... bem, esse precisa de um tópico à parte. Furukawa Yuki deu vida de forma muito singular ao personagem: o Naoki do dorama é muito mais sério, desinteressado e frio o que aparenta ser no anime e no mangá, mas eu não consideraria esse aspecto como ruim. Muito pelo contrário, Yuki-kun executou muito bem seu papel, em minha opinião - principalmente por ser o primeiro ator japonês que vi falar inglês fluente! Gente, esse rapaz é um ahazo
Outro personagem que deve ser lembrado definitivamente é o Kin-chan. Nessa adaptação o personagem recebeu mais destaque, e foi bem mais fácil de identificar-se com ele do que na obra original ou na animação. Menos irritante, mais humano e mais meigo, Yamada Yuuki deu outra cara ao nosso yankee preferido, sem deixar de lado sua estupidez ou seu lado absurdamente cômico.
Por fim, a série contou com 16 episódios, tem excelente trilha sonora e uma segunda temporada já foi confirmada em 2014, embora não tenha uma previsão exata de estréia. O que sei é que as gravações já se iniciaram, então podemos esperar Honoka Miki e Furukawa Yuki encarnando nosso casal favorito após o casamento ♥ E eu já estou aqui, morrendo de ansiedade! 


E, sendo assim, ficamos por aqui queridos leitores! Já faz um tempo que estou pra escrever esse post, mas andava me faltando tempo mesmo. De qualquer forma, a ideia da super resenha é dar um panorama de toda a série mesmo, e por isso ficou assim gigante. 8D Espero que não tenha ficado muito cansativo e tenham gostado, e que leiam, assistam e se apaixonem por Itazura na KISS, porque vale muito a pena!
E agora que já deixei todo mundo na vontade, eu me vou para minha terra do nunca. Beijinhos a todos, e até a próxima! 

Marcadores: , , ,


By Shana • quarta-feira, 4 de junho de 2014 • 6 ComentáriosLink to this post


«older newer»