let's be cool
Saudações, visitante! Neste momento, você se encontra no Hishoku no Sora, um blog pessoal sem fins lucrativos. Aqui se fala de tudo um pouco, então fique à vontade!
A versão atual é inspirada na música "Afraid to be Cool", ilustrada por Jimin e Jungkook (BTS, War of Wormone).

the coolest
Kawasumi Shana, 24 anos e contando +1 todo dia 7 de fevereiro - logo, sou toda aquariana. Adoro música, mangás, animes, filmes e livros. Odeio insetos, injeções e filmes de terror, sou criativa e contraditória, possivelmente tenho um parafuso a menos - mas juro que sou legal. Ou não. more?

come with me!


Follow

scream out!

what did you say?

bye baby bye!

 
Hishoku no Sora
Google Chrome | 1366x768


Minha relação de amor e ódio com o teclado

Eu digito rápido. Mais especificamente: muito rápido. Mais especificamente ainda: eu digito absurdamente rápido usando apenas os indicadores das duas mãos. Por algum motivo que foge da minha compreensão, as pessoas costumam achar essa habilidade admirável - quer dizer, eu consigo digitar com apenas dois dedos sem ficar "catando milho".
Mas tudo nessa vida tem dois lados, e minha habilidade especial não poderia ser diferente. Eu sempre sofri muito com erros de digitação. Nos últimos dois anos eu notei que uma das minhas mãos é mais rápida do que a outra e, por conta disso, às vezes eu inverto algumas letras (uma vira uam, seu vira sue e coisas desse tipo). Até aí, eu podia lidar consideravelmente bem com isso - nada que fosse me matar ou impedir meus interlocutores de entenderem o que eu queria dizer. Se eu escrevo "eu adorei sue texto", ou obviamente não estou dizendo que adorei processar o seu texto, por motivos.... ahn, óbvios.
Contudo, em 2012 eu entrei na faculdade, e meus pais super prestativos (e lindos, bjs) me deram um notebook - porque eu ia precisar de um pra fazer meus trabalhos, estudar, essas coisas que todo mundo sabe. A partir deste fatídico dia, minha relação com o teclado tornou-se turbulenta. E é exatamente aqui que começa nossa história.
O teclado do meu computador atual é assim. Como podem ver, é bem diferente dos teclados comuns que se usa com um CPU - sendo eles o tipo que eu estava acostumada a utilizar. Não se enganem: teclas retas são um verdadeiro amor e essa belezinha é super suave. O problema é: ele é grudado na tela. Não sei se vocês já notaram, mas num computador de CPU, o teclado fica num certo desnível com relação à mesa e à tela - quero dizer, isso é bem óbvio, mas a gente nunca presta atenção nessas coias, certo? Pois é.
Notebooks não são assim.
Eles ficam na mesa, grudadinhos na tela, o que te leva a levantar as mãos levemente e ficar numa postura consideravelmente estranha - porque a prioridade é a tela estar num nível onde você enxergue as coisas, vejam bem. Por que diabos estamos falando disso? Porque isso aumentou meus erros de digitação absurdamente. Não se explicar como, mas esse esforço físico a mais mudou totalmente a forma como eu estava acostumada a digitar, o que aumentou meus erros e acreditem se quiserem: me deixou com preguiça de digitar.
Nossa, como eu comecei a odiar essa tarefa.
Depois de dois anos vivendo com meu bebê, eu obviamente me acostumei a essa mudança da postura ao realizar essa atividade essencial pra uma pessoa que se socializa pela internet e mantém um blog pessoal. Além de ter de escrever trocentos-milhões-de-coisas pra faculdade, o que auxiliou bastante. Até esse ponto estava tudo bem. Contudo, de algumas semanas pra cá, misteriosamente algumas teclas do meu teclado... endureceram. Simples assim.
QUE DIABOS É ISSO AFINAL?
Um pseudo-círculo, que evolve as teclas u, i, o, p, ç, l, meus acentos, os números 0 e 9 e outras funções que eu considero essenciais (parênteses, chaves, º e ª) entre outros simplesmente viraram pedra. E a não ser que eu quase destrua o teclado e desconte a raiva e emoções negativas acumuladas nas benditas teclinhas, elas simplesmente não funcionam.
Nossa man, isso me tira do sério de um jeito que vocês nem têm noção.
Eu sinto que as teclas andam travando. Já limpei o teclado, passei aspirador, até limpo ele com um pincelzinho que comprei especificamente pra isso. Minha última salvação será ter o trabalho absurdo de tirar tecla por tecla e limpar... sei lá o que. Como lidar?
Agora estamos assim, nessa relação amor e ódio. Eu amo meu teclado macio. Eu odeio meu teclado quando está com frescura no ânus - pra não falar outra coisa, porque estamos num ambiente familiar aqui. Suponho. Eu amo, eu odeio, eu amo, eu odeio. 
Já posso escrever um roteiro de novela mexicana agora?

Marcadores: , ,


By Shana • quinta-feira, 18 de setembro de 2014 • 3 ComentáriosLink to this post


«older newer»