Come closer


Saudações, visitante! Neste momento, você se encontra no Hishoku no Sora, um blog pessoal sem fins lucrativos. Aqui se fala de tudo um pouco, então fique à vontade!
A versão atual é inspirada na música "We Don't Talk Anymore", ilustrada por Jimin e Jungkook (BTS).

Home Me Blog Links

Talk to me
Kawasumi Shana, 24 anos e contando +1 todo dia 7 de fevereiro - logo, sou toda aquariana. Adoro música, mangás, animes, filmes e livros. Odeio insetos, injeções e filmes de terror, sou criativa e contraditória, possivelmente tenho um parafuso a menos - mas juro que sou legal. Ou não.more?

Stay in touch


Follow

Unspoken Words

Past Tense

Stay a little longer

 
Hishoku no Sora
Google Chrome | 1366x768


Resenha | Orange

Arrependimento. Essa é a sua fraqueza e a lamentação no passado. O que você fez, e o que você não fez. Você vai se arrepender.
Orange. Volume 2, Capítulo 8.

Primeira resenha do ano, pessoal! E pra já iniciar em grande estilo, vamos começar com um título que deu polêmica, mas que foi muito aclamado tanto no Japão quanto entre os fãs internacionais, inclusive os brasileiros: Orange.
De autoria de Takano Ichigo, Orange conta com 22 capítulos, distribuídos em 5 volumes. A publicação mensal iniciou-se em 2012 na revista Betsuma, da Shueisha (Ao Haru Ride; Kimi ni Todoke), e foi muito aclamada no Japão. A polêmica? Bom, a partir do capítulo 9, a série entrou num hiatus de um ano, eventualmente saindo da editora, o que deixou muitos fãs apreensivos quanto a uma possível descontinuação. Contudo, para a felicidade geral, em Abril de 2014 a autora retomou a série, na revista Monthly Action da Futabasha. No Brasil, a série é publicada pela Editora JBC (e as capas estão lindas, só comentando).
Tá, e sobre o que fala Orange? A história começa com Takamiya Naho, nossa protagonista, recebendo uma estranha carta enviada... por ela mesma? É isso aí mesmo, uma carta vinda de 10 anos no futuro. Inicialmente acreditando se tratar de alguma brincadeira, ela não leva a carta tão a sério, até que todos os acontecimentos narrados na mesma realmente acontecem. Por que ela recebeu esta carta? Os motivos da Naho do futuro são bem claros, mas nem tão simples: ela tem muitos arrependimentos, e deseja que a Naho do presente elimine todos eles. Além disso, a carta ainda fala de um aluno transferido de Tokyo, Naruse Kakeru, a quem a Naho do presente precisa ajudar, pois não salvá-lo foi o seu maior arrependimento 10 anos depois.
Orange é, antes de tudo, uma história sobre arrependimentos. É bem diferente dos shoujos escolares que costumamos ver por aí, ao ponto de que nem sei dizer se ele é shoujo mesmo - vale comentar que a autora começou a publicar seinen em meio ao hiatus da série, que é um estilo bem diferente, um pouco mais sério e mais maduro. Orange tem um enredo um pouco mais pesado, sério e maduro, que nos incita a refletir a importância de tomar coragem pra agir e fazer nossas escolhas, porque no futuro será tarde de mais pra se arrepender. Embora ele dialogue muito sobre o futuro e o passado, o enredo trata basicamente sobe o presente, e sobre a importância de dar o devido valor ao hoje, ao aqui e agora, ao que você pode fazer neste momento e como isso influencia a sua vida pra todo o sempre - ainda que sejam as coisas mais pequenas.

Eu quero aliviar o peso que ele estava carregando.
Eu quero carregar os problemas dele com ele.
Eu quero que você nunca o deixe sozinho.
Eu quero que você salve o coração dele.
Naho do Futuro. Volume 2, Capítulo 8.

No mangá, isso aparece nas tentativas da Naho de salvar o Kakeru. Não se trata de ir ao passado e reviver tudo de novo, mas de tomar coragem e fazer pequenas coisas que impeçam os arrependimentos de acontecerem - ser mais honesta com seus sentimentos, não ter medo de dizer o que pensa, ser mais direta e ativa em suas decisões. Nenhum de nós precisa receber uma carta do futuro, basta aprender com a Naho e começar agora a fazer a diferença. Nós não sabemos o amanhã, e é justamente por isso que precisamos viver o mais intensamente possível o nosso presente: porque não dá pra voltar atrás.
Uma coisa que eu já esperava que acontecesse, e de fato aconteceu, foi uma ligeira mudança do traço após o hiatus. Eu tenho a sensação de que a história é muito pessoal pra Ichigo - embora ninguém saiba o que a levou a ficar um ano sem publicar Orange, tampouco a mudar de editora. Entre o capítulo 10 e alguns posteriores a ele, senti que rolou uma certa pressa. O traço parecia meio esboçado pra mim, mais fino e com um acabamento menos... Menos. Pra minha felicidade, isso foi sumindo com o passar dos capítulos - mas talvez valha a pena dar uma olhada em como ficou a impressão da JBC, já que eu li pelo computador. Já no enredo, acho que não senti muita diferença. A história me pareceu bem planejada, os acontecimentos foram retomados de onde paramos e a única mudança que acontece na história já tinha se iniciado justamente no capítulo 9, antes do hiatus. A história deu uma reviravolta que me surpreendeu, seguindo rumo bem diferente do que eu estava esperando - assim, acho que a essa altura já dava pra esperar quaisquer mudanças no caminho.
O final foi curto, na minha opinião, mas conclusivo. Os últimos 5 capítulos me deixaram tensíssima, pois eu já não tinha certeza se tudo daria certo ou não, se eu ia terminar satisfeita ou decepcionada. Embora eu sinta que podiam tem rolado mais um ou dois capítulos, foi uma conclusão emocionante e bem satisfatória. Gostei do rumo que a autora tomou e achei muito válida a conclusão que ela deu em relação às linhas temporais da história - afinal, não dá pra discutir alterações no passado sem passar por isso, não é mesmo?
Embora o traço não seja o mais bonito que eu já vi, eu dou uma boa nota pra Orange, e recomendo a leitura. É uma história intensa, pesada e que requer maturidade pra lidar com temas pesados como morte, suicídio, depressão, arrependimentos e, acima de tudo, o tempo. Em uma palavra, talvez Orange seja uma história sobre a vida. Será que adianta escrever uma carta pra si mesmo, 10 anos no passado? Ou será que nós precisamos aprender a viver o agora como se não tivesse volta? Talvez a gente precise começar a pensar nisso.

"Mesmo que as coisas estejam difíceis agora, aguente firme e tudo vai melhorar". É fácil dizer isso. Aguentar firme... Viver... É a coisa mais difícil que existe.
Naruse Kakeru. Volume 5, Capítulo 19.

Marcadores: ,


By Shana • domingo, 21 de fevereiro de 2016 • 12 ComentáriosLink to this post


«older newer»